fbpx

Acompanhamos nos últimos dias mudanças significativas de algumas normas regulamentadoras de segurança no trabalho.
Para podermos analisar os efeitos dessas ações, primeiro precisamos entender o contexto em que elas foram criadas e como se encontram atualmente.

Normas Regulamentadoras: o que são e para que servem?

As Normas Regulamentadoras são normas que tratam sobre a segurança e saúde dos trabalhadores, e atingem diretamente quem trabalha sob o regime da CLT – Consolidações das Leis do Trabalho, sobretudo em alinho com o Cap. V.
Essas normas foram publicadas em 1978, através da Port. 3214. Para a época, elas atendiam as necessidades de regimentar as atividades e exposições de pessoas a determinados riscos.
Contudo, de lá para cá, poucas delas passaram por revisões.
E com a transformação significativa no perfil do trabalhador e da indústria ao longo dos anos, as normas que conhecemos passaram a gerar dúvidas se realmente ofereciam proteção.

Adaptação das NR’s ao perfil do mercado

Com a crescente discussão em torno da eficácia das NR’s, o governo, através do Ministério da Economia (que é o órgão que hoje cuida da pasta do antigo Ministério do Trabalho) ficou com a incumbência de atualizar e revitalizar as normas, como fez, por exemplo, ao revogar recentemente a NR 2 – Inspeção prévia.
A NR 2 era uma norma que tratava de inspeção antecipada do ambiente de trabalho por auditor fiscal, antes de iniciar suas atividades, para verificar se havia condições mínimas de segurança.
Ela – assim como trechos de muitas outras – era questionada justamente pela sua efetividade, pois, na prática não era aplicada, o que a tornava obsoleta.
Com isso, entramos em um novo período, o de revisão.
Desde o início do segundo semestre observamos normas em consultas públicas, que resultaram em um ato de modernização geral por parte do governo com a área de segurança do trabalho – essa em que estamos vivenciando agora.

O que a mudança das normas traz para as empresas na prática

Entre tantas mudanças, uma dica importante é a de que estamos em um momento de revisão dos documentos, então rever o Código de Ética e o Código de Conduta da nossa empresa passa a ser tema de casa.
Documentos passíveis de auditoria podem ser digitalizados. A nova NR 1 – Disposições Gerais, traz novidades como essa, da possibilidade de digitalizar documentos (respeitando prazos que são prescritos para mantê-los em formato físico).
A NR1 traz também uma nova visão sobre capacitações e treinamentos, podendo aproveitá-los em conjunto em alguns casos, desde que os temas sejam congruentes.
Outra coisa boa é que em consonante com a área digital e a atualidade no que dizem respeito ao ensino, os treinamentos poderão ser ministrados no formato EAD – Ensino A Distância (respeitando com rigor as exigências prescritas nas normas).
É uma oportunidade para as empresas que têm dificuldade de organizar eventos que envolvem muitas pessoas e conflito de carga horária da produção, afinal, reunir vários trabalhadores ao mesmo tempo é muitas vezes impossível.
Os Microempreendedores Individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte terão atenção diferenciada no quesito Segurança no Trabalho, não necessitando mais de tanta burocracia, ou mesmo da emissão de documentos clássicos, como o PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e PCMSO – Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional, desde que respeitada as observações feitas na referida norma.

Que impacto, afinal, as mudanças podem provocar na Segurança do Trabalho?

A seguridade dos colaboradores não será afetada como vemos em fóruns da internet, pois antes do Poder Executivo (que é quem pode alterar as Normas Regulamentadoras) vem a CF – Constituição Federal/88, sendo que ele não tem o poder de mudá-la.
Isso porque as observações começaram a ser feitas através do art.7º, inc. XXII – que estabelece em reduzir os riscos do ambiente de trabalho, e também a CLT, através do Cap. V – que trata exclusivamente sobre Saúde e Segurança no Trabalho.
Podemos dizer que essa é a atualidade proporcionada pelas mudanças que vêm ocorrendo nas normas regulamentadoras da área: tirar os excessos, desburocratizar e harmonizar.
Essa realidade pode ser a essência dos novos textos normativos, fazendo com que consigamos trazer o tema Segurança no Trabalho como algo tangível e contemporâneo.
Talvez, inclusive, a segurança no trabalho nunca esteve tão forte como está agora.

Texto de Rodrigo Mazzotti – Diretor Técnico do Grupo Marconi

Confira mais detalhes das mudanças nas portarias realizadas pelo Governo aqui neste link.
Também divulgamos outra análise aqui neste texto. Acesse para conferir!

Assine nossa newsletter e receba novidades da Marconi!

;

Fale conosco

Atendimento via WhatsApp